A nossa História

O Fundador

Raúl Augusto dos Santos, fundou a Casa Sonotone em 1935, a primeira casa a vender aparelhos auditivos em Portugal.

À esquerda: Raúl Augusto dos Santos. À direita: 1ª factura, 1935.

Tinha apenas 40 anos quando, subitamente, perdeu a audição. Na época, falaram-lhe de uns aparelhos americanos que permitiam voltar a ouvir e viajou até Espanha, onde se comercializavam.
O resultado excedeu todas as suas expectativas. Raúl dos Santos soube, nessa altura, que tinha a missão de partilhar com quem sofria de surdez, a alegria de voltar a ouvir.
Contactou a “Sonotone, the Hearing House”, nos Estados Unidos, e passou
a representá-la em Lisboa. Esta factura, datada de 14 de dezembro de 1935, certifica a venda do primeiro aparelho auditivo em Portugal e assinala o ínício de um projecto dedicado a ajudar quem sofria de perda auditiva. Os aparelhos eram caros e desconhecidos. Nesse ano vendeu apenas uma unidade.
Mas rapidamente os Lisboetas se familiarizaram com este nome que apareceu numa fachada do Poço do Borratém, em Lisboa.

Casa Sonotone, Lisboa.

A Família

Desde o primeiro dia que a Casa Sonotone se mantém na família do fundador, Raúl dos Santos. A família sempre foi, aliás, um pilar na cultura da empresa.

Ilda Rodrigues, com o pai.

Ao ficar viúva, ainda jovem, Ilda assumiu os destinos da Casa Sonotone ao lado do pai.
Existiam então muitos pontos de venda espalhados por todo país. Em 1950, a Casa Sonotone abre no Porto, gerida por um outro ramo da família e mais tarde, em Coimbra. Em Lisboa, Raúl dos Santos passou a contar com a ajuda da filha, Ilda.

Ilda Capinha.

Nessa altura, já outra Ilda, a neta, manifestava curiosidade pelo trabalho do avô, que o seguia pelos corredores da Casa Sonotone. Ilda Capinha, licenciou-se em engenharia eletrotécnica, e passou a liderar, por sua vez, a empresa.

Inês, Jorge e Isabel Capinha, com a mãe.

Passados 80 anos, a Casa Sonotone conta já com a quarta geração. Inês, Isabel e Jorge Capinha, licenciados respetivamente em audiologia, psicologia e engenharia eletrotécnica, dão agora continuidade ao projeto que o bisavô Raúl iniciou em 1935.

A Evolução

A história dos aparelhos auditivos perde-se nas inúmeras invenções que marcaram a segunda metade do Sec. XIX.

Primeiro aparelho auditivo portátil, 1906.

O primeiro aparelho eléctrico, foi registado em 1895 pelo engenheiro electrotécnico, Miller Hutchinson. Foi também o responsável pelo primeiro aparelho portátil.
O século XX, é um ponto de viragem na evolução científica e tecnológica. Os aparelhos auditivos tornam-se cada vez mais pequenos, acessíveis e eficazes. Os transmissores com fios, dão lugar a pequenos aparelhos integrados nas hastes dos óculos, ou presos à volta da orelha.
A era digital, reduziu as próteses auditivas a dimensões milimétricas, praticamente invisíveis. Actualmente, é já possível coordenar o seu funcionamento com as aplicações de um smartphone.

A Equipa

A primeira preocupação de Raúl dos Santos, foi formar uma equipa de profissionais, numa área praticamente desconhecida nessa altura.

Raúl dos Santos com a sua equipa.

Regressou a Espanha para fazer formação junto dos técnicos da Sonotone e foi, depois, ele próprio responsável pela formação profissional da sua equipa. Esta preocupação, foi aliás, um pilar na construção da empresa.
Os funcionários e colaboradores da Casa Sonotone, passaram a frequentar cursos e acções
de formação, em Portugal e no estrangeiro. Deste modo, a equipa estava sempre preparada para acompanhar o desenvolvimento tecnológico nesta área da saúde auditiva.

Ilda Rodrigues, filha de Raúl dos Santos.

Equipa actual da Casa Sonotone.

O empenho ético e profissional constante, acabou por se traduzir numa relação de confiança que a Casa Sonotone mantém até hoje com os seus clientes.